domingo, 19 de outubro de 2008

O município de Goiatuba

O município de Goiatuba desmembrou-se de Morinhos em 21 de janeiro de 1.931 com uma área de 4.742,107 Km2. Em 1958 desmembra e emancipa Joviânia com 455 Km2. Em 1.963 emancipou Bom Jesus com uma área de 1.208 Km2 e em 1.995 emancipou o Distrito de Porteirão com uma área de 604 Km2. Atualmente o município de Goiatuba conta com uma área de 2.475,107 Km2 de pura fertilidade.

Distante 173 km da capital, a geologia do município é formada por estruturas do pré-cambriano representado pelo complexo goiano. A formação da Serra Geral cobre a maior parte do município.

O relevo é caracterizado por todo o plano ou por ser medianamente dissecado em formas conexas associadas às formas tabulares e amplas. À margem do Rio dos Bois, o relevo apresenta-se plano, sujeito a inundações periódicas devido às dificuldades de escoamento das águas pluviais. Predomina na região o latossolo roxo distrófico e eutrófico. O clima do município é tipicamente tropical quente e úmido, apresentando nitidamente as estações secas e chuvosas. As altitudes do município não provocam modificações marcantes nas médias térmicas. As temperaturas médias variam de 19 º C a 30 º C.
Os lugares de belezas naturais são muitos, mas a exploração ainda é pouca. Esse potencial, característico de quase todos os municípios da nossa região sul de Goisá, reflete-se mais uma vez nas cachoeiras, quedas de água no perímetro rural próximo a sede do município. Moradores das ditas áreas rurais, reafirmam a existência de várias cachoeiras de destaque no entorno da cidade. Elas se situam na fazenda do Zé Doca, outra na fazenda do Antônio Cardoso, no córrego Lajeado fica a cachoeirinha e, a fazenda do Sr. Adevaldes Pereira, também é outra privilegiada. A fazenda Santa Maria, conta com o Brejo do Bezerra. Existe ainda uma cachoeira no córrego Ponte Lavrada, a cachoeira do Macuco, Fazenda Cachoeira e por final, o principal curso do rio que banha o município no sentido norte sul, o Meia Ponte, que nasce no municipio de Itauçu na Serra dos Brandões. Vale lembrar que, pelo ano de 1.732 Bartolomeu Bueno, o filho, ao cruzar este rio nas imediações onde hoje se acha a Usina do Rochedo, o bandeirante valeu-se de duas toras de madeira como travessia. Ao retornar pela mesma rota só encontrou uma, a outra fora levada pelas correntezas d’água. Com esse fato, usou a expressão “meia ponte” nome que conserva até os dias de hoje.
Alguns pontos geográficos como a Serra do Canastra, sendo também um lugar muito bonito e vale a pena ser conferido. Uma caverna de difícil acesso na Faz. Marimbondo e cinco sítios arqueológicos identificados, dos quais três com material coletado: Fazenda Santana, Fazenda Mata Preta e Fazenda Marimbondo.

Um comentário:

Jorge disse...

ADOREI,EU SENDO GOIATUBENSE ADOREI ESSA MATERIA E ADOREI A PAGINA,TODOS DEVIAM ENTRAR E VER COMO FOI SEU PASSADO,POIS SEM PASSADO NÃO SE TEM FUTURO,AGRADEÇO AOS RESPONSÁVEIS PELA PAGÍNA E QUE NUNCA SE CANSEM DE DESCOBRIR MAIS SOBRE GOIATUBA.ME ENCANTEI COM AS FOTOS QUE VI RECENTEMENTE EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL DE NOSSA CIDADE,FOTOS QUE EU AINDA NÃO CONHECIA,PENA QUE EM QUANTO ALGUNS LUTAM PARA APRESENTAR O PASSADO ALGUNS LUTAM PARA DESTRUÍ-LOS,ESTAMOS DE LUTO MAIS UMA VEZ PELA PERCA DE MAIS UM PATRIMÔNIO,PENA MAIS MEUS NETOS SÓ VERÃO POR FOTOS ....LASTIMAVÉL....